Pandemia: vice-governador diz que investimentos em leitos de UTI está evitando colapso na saúde

Medidas mais duras adotadas no início da pandemia foram fundamentais para estruturação da saúde no interior

O vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota (Cidadania), disse nesta segunda-feira (20) que o período de medidas mais duras, adotadas no primeiro decreto do governo estadual em março, no início da pandemia, foi fundamental para evitar um colapso na saúde pública de Goiás. 

“Naquele momento, os leitos públicos de UTI estavam concentrados na região metropolitana de Goiânia. Nós contávamos com menos de 300 leitos, em poucas cidades. O governador Ronaldo Caiado tomou uma decisão de proteger a vida de quem vive no interior”, afirmou Lincoln Tejota durante entrevista à Rádio Bandeirantes de Goiânia. 

O vice-governador rechaçou criticas de que o fechamento das atividades em março tenha sido uma decisão precipitada e disse que o governo precisava desse tempo para ampliar o sistema de saúde público. 

Ele reforçou que foi dado um salto significativo no número de leitos de UTIs em Goiás. De acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (SES), em janeiro do ano passado, a saúde pública contava com 259 leitos de UTIs em quatro municípios. Atualmente, já são 583 leitos públicos, em 16 cidades goianas.  

“A decisão acertada do governador de conter o alastramento do vírus enquanto estruturava as unidades de saúde preparou o Estado para a situação que estamos enfrentando agora. Mesmo com o crescimento no número de infectados, a saúde em Goiás não entrou colapso”, disse o vice-governador.  

De acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES-GO) no último domingo (19), desde o início da pandemia, foram confirmados 40.765 casos de pacientes infectados e 1.092 óbitos em todo o território goiano. 

Esses dados revelam que a taxa de letalidade subiu para 2,68%, comparada ao patamar de 2,5% registrado na semana passada.  Ainda assim, Goiás está entre os 10 estados com menores taxas de mortalidade e letalidade pelo novo coronavírus em todo o país. O vice-governador enfatizou a necessidade de a população compreender o momento de epidemia, adotando todas as medidas de precaução.