Goiás de Resultados entrega mais quatro mil máscaras

Materiais foram doados pela Associação de Tradutores Juramentados de Goiás. Produção é parceria com a DGAP

A produção de máscaras e equipamentos por meio do Programa Goiás de Resultados, em parceria com a Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) continua. Na tarde desta segunda-feira, 1º de junho, mais quatro mil máscaras produzidas na unidade prisional de Aparecida de Goiânia foram entregues. Os equipamentos de proteção individual (EPI’s) foram confeccionados a partir do material doado pela Associação dos Tradutores Juramentados de Goiás. Essa é a segunda vez que a entidade contribui com a confecção dos EPI’s.

Os materiais produzidos pelos detentos do sistema prisional goiano têm contribuído para proteger servidores da saúde, segurança pública, policiais penais, além dos próprios reeducandos, contra o coronavírus. Além deles, o quantitativo entregue nesta segunda-feira também contemplará, segundo o presidente da Associação, Iris Rober, instituições como asilos e abrigos para crianças. 

“Nós sentimos a necessidade de colaborar com o povo goiano na busca de soluções para a pandemia. Nossa intenção é contribuir para que tudo acabe o mais rápido possível e a gente consiga voltar à vida normal. A Associação está pronta para ajuda o Estado de Goiás. Esse é um problema que afeta todas as pessoas.  É muito importante que toda a sociedade se una. Alguns doando recursos financeiros, outros a mão de obra e, quem não puder, que colabore ficando em casa”, opinou Iris.

Para o gerente de Produção Agropecuária e Industrial da DGAP, Moacir Ferreira, a união de esforços é fundamental para o alcance de bons resultados. “No início da pandemia, procuramos entes estatais que pudessem auxiliar nesse trabalho. Com o Goiás de Resultados e a Vice-Governadoria, tivemos boa aceitação de importantes parceiros, que fizeram várias doações para a confecção dos EPI’s”, afirmou. 

Desde o início da pandemia, cerca de 270 mil máscaras e 7.700 aventais foram produzidos em sete unidades prisionais goianas. A parceria visa, além do combate à disseminação do vírus, a ressocialização dos encarcerados, uma das metas prioritárias do programa Goiás de Resultados.  Os presos envolvidos na produção recebem remuneração e a possibilidade de remissão de pena, de acordo com a Lei de Execução Penal (LEP). A cada três dias de trabalho, há redução de um dia de cárcere.
 
O vice-governador Lincoln Tejota, coordenador do Programa, avalia a importância de proporcionar oportunidades aos presidiários. “Queremos que essas pessoas usem o período da Unidade Prisional para saírem da vida criminosa, aprenderem novas habilidades e, consequentemente, reduzir os índices de violência na nossa sociedade”. 

De acordo com o vice-governador, as ações articuladas pelo Goiás de Resultados beneficiam não só os encarcerados, mas toda a população e reafirma a necessidade de estabelecer ações permanentes que não se perdem a cada governo “Estamos trabalhando para dar respostas à população.  Entregaremos, ao longo deste mandato, mais de 100 produtos aos goianos, atendendo a 20 metas prioritárias, definidas em conjunto por 53 órgãos do governo estadual, promovendo sinergia na ad