“Algo precisa ser reajustado”, diz Lincoln Tejota ao comentar avanço do coronavírus em Goiás

Vice-governador espera que novo decreto estadual faça com que índices de isolamento social voltem a subir

Em entrevista à Rádio Brasil Central (RBC), no programa “O Mundo em Sua Casa” desta terça-feira (12), o vice-governador Lincoln Tejota afirmou estar preocupado com o rápido avanço do coronavírus em Goiás e o índice de isolamento social que caiu para 37% nos últimos dias. 

“Como nós agimos logo no começo, o resultado apareceu. Nós demoramos a passar do nível 1, mas agora estamos assistindo um salto muito rápido de 100 para 1.000 infectados. Algo precisa ser reajustado”, afirmou Tejota. 

Após os primeiros registros de contaminados no dia 12 de março, o governador Ronaldo Caiado determinou quarentena e o índice de isolamento se manteve acima de 60% por algumas semanas. Goiás esteve entre os quatro estados do país onde a população mais respeitava as restrições de mobilidade. 

Questionado sobre quais fatores seriam a causa do isolamento entre os goianos despencar para 37% em maio, Lincoln Tejota lamentou o relaxamento da população e explicou a importância da conscientização de que, se houve um resultado positivo no controle ao coronavírus entre março e abril, foi porque a maioria obedeceu às regras do primeiro decreto do Governo de Goiás. 

“Naquele momento, a decisão do governador fez com que o nosso estado se tornasse referência no isolamento e mantivéssemos os números de contaminação controlados. Porém, há algumas semanas houve as medidas de flexibilização e o que vemos agora é que os números subiram demais”, disse o vice-governador. 

Na última atualização divulgada pelo Governo de Goiás nessa terça-feira (12), foram confirmados 1.115 casos de contaminações. Os dados revelam um aumento de quase 200 casos em apenas seis dias. “Isso demonstra que parte da população não está respeitando as medidas de isolamento nem as sanitárias”, afirmou o vice-governador. 

Goiás de Resultados

Ainda na entrevista, Lincoln explicou que desde o mês de março, os servidores da Vice-Governadoria seguem o decreto estadual e atuam em regime de teletrabalho. “As demandas continuam sendo cumpridas. A suspensão das atividades presenciais não causou nenhum prejuízo aos trabalhos da Vice-Governadoria. Inclusive, estamos avançando com o programa Goiás de Resultados e fazendo grandes entregas para a população”, afirmou o vice-governador. 

O programa Goiás de Resultados foi lançado nos primeiros meses de mandato para nortear as entregas do Governo de Goiás, atendendo aos anseios da sociedade e otimizando os serviços prestados à população. 

“Durante a campanha em 2018, muitos eleitores me procuraram dizendo que presidiários precisavam trabalhar. Depois que fomos eleitos e assumi a coordenação do Goiás de Resultados, fiz questão de priorizar a ressocialização como uma das metas do nosso governo”, lembrou Lincoln Tejota. 

No período da quarentena, o programa articulou junto com a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) o uso de mão de obra carcerária para confecção de máscaras e jalecos para os servidores da saúde e segurança pública. 

Em dois meses, já foram produzidos mais de 11 mil aventais e 180 mil máscaras em todo o Estado. Cerca de 150 detentos em oito municípios atuam na confecção desses equipamentos de proteção individual. 

O vice-governador acredita que um dos grandes legados do programa Goiás de Resultados será a expansão das ações de ressocialização para Unidades Prisionais de todo o estado. “Essa é a oportunidade dessas pessoas se redimirem pelos seus erros e, mesmo encarcerados, encontrarem novas qualificações que vão abrir portas para novas oportunidades longe do crime”, finalizou Lincoln Tejota.